Como lidar com imprevistos na primeira vez juntos

Twitter
Compartilhe:

Seja em um começo de relacionamento estável ou em uma noite de sexo casual, às vezes acontece de a sintonia do casal não estar perfeitamente ajustada e surgirem imprevistos na cama. Como as pessoas ainda não se conhecem tão bem assim, é normal ficar uma certa tensão no ar e ninguém saber direito como agir ou falar.

Mas com abertura para o diálogo, compreensão e jogo de cintura é possível superar os desentendimentos sexuais que venham a aparecer. A psicóloga e sexóloga Ana Canosa, diretora-editora da Sociedade Brasileira de Sexualidade Humana, e a psicóloga e terapeuta sexual Márcia Sant’Ana Aragão explicam as melhores ações a serem tomadas nas oito situações mais comuns de desencontro na estreia com um parceiro.

Ele brocha – simplesmente não consegue ter ou manter a ereção
Normalmente, as causas são ansiedade e nervosismo. “Ele pode estar com medo de desempenhar mal seu papel de homem, e por isso mesmo acaba perdendo a ereção”, diz Ana. É importante mostrar compreensão sem dar muita atenção ao fato, levar no bom humor, manter o clima de intimidade, beijar, abraçar e não interromper abruptamente o jogo amoroso. Deem um tempo, relaxem. Pode ser que a excitação comece novamente: acolhido, o homem sente-se mais livre para tentar outra vez. Caso ele fique ansioso ou deprimido demais, é melhor deixar a penetração para outro dia e entender que ficar só namorando também é ótimo, pois existem outras maneiras de ter prazer.

Ela brocha – esfria, perde a vontade e a lubrificação
Acontece com muita frequência, e por razões semelhantes às das brochadas dos homens: a mulher se cobra muito e seus pensamentos atrapalham sua entrega na hora H. Além disso, ela pode estranhar a maneira como a relação sexual está sendo conduzida. É preciso ter jogo de cintura para dar um tempo e recomeçar mais tarde. “Engate uma conversa, tente relaxar e fazer a outra pessoa relaxar também. Só nunca force a transa”, orienta Márcia. Parta para as carícias, elas podem ajudar a acender uma faísca de tesão. E lembre-se: a intimidade não se conquista de uma hora para a outra e não há problema nenhum nisso.

Ela está com uma lingerie feia/ele está com uma cueca velha
O jeito é brincar com a situação e manter o bom humor. Vale dizer que não estava esperando transar naquela noite e que a lingerie/a cueca é “de ficar em casa”, além de prometer caprichar na próxima vez. Claro que essas explicações só são admissíveis se a ida para a cama for realmente uma surpresa; se for um programa que deixava claro ou pelo menos implícito que rolaria sexo, o melhor é ir com boas roupas de baixo, porque daí não existe desculpa que convença o outro/a outra de que não houve pouco caso.

Um estranha ou se sente incomodado com algo que o outro peça na hora da transa ou leve para a cama (um brinquedinho erótico, por exemplo)
Levar para a cama brinquedinhos ou práticas sexuais pouco convencionais (ou que exijam um grau alto de intimidade) logo na primeira vez certamente causará estranhamento. Portanto, é de bom tom evitar fazer isso. Caso aconteça e você esteja do lado incomodado, o melhor é optar pela honestidade: dizer que não gosta do que está sendo proposto e declinar. Não cabe a ninguém ficar constrangido, pois dois adultos transando devem poder falar abertamente sobre sexo.

Ela está menstruada – e por ela, tudo bem, mas por ele, não
Se a mulher diz que está menstruada e o parceiro não gosta, ela pode tentar, sutilmente, convencê-lo a transar mesmo assim. A melhor ideia é propor que o casal vá para debaixo do chuveiro. Mas se ele for firme e se recusar a ir para a penetração, ela deve ter em mente que não é sempre não e parar de insistir. Para não perder a noite, os dois podem investir nas carícias e no namoro quente, já dando uma prévia de como será quando eles se encontrarem sem esse empecilho.

Um fala algo que o outro considera inadequado durante a transa
Quem se incomoda simplesmente não deve dar sinais de entusiasmo com o que foi falado; o outro provavelmente perceberá que não agradou. Caso ele insista, vale tentar mudar a temática ou o tom, levar a comunicação para um estilo mais confortável. Se ainda assim não surtir efeito e houver insistência, o jeito é abrir o jogo e ser direto: dizer que não está gostando e está se sentindo incomodado com aquelas palavras, que vocês estão se conhecendo e elas estão lhe tirando o foco. Isso deve encerrar o assunto.

Um deles troca o nome do outro
Por mais indignação que a troca de nome possa causar, “em uma primeira vez ela pode ser bem normal”, afirma a psicóloga e sexóloga Ana Canosa. O conselho aqui é: esqueça, finja que não ouviu ou use isso a seu favor. Quem teve o nome trocado pode começar um joguinho erótico em que faz o papel de outra pessoa. Se quem causou a confusão inicialmente não se sentir mal e envergonhado, a brincadeira pode acabar sendo bastante excitante.

Um não gosta de como está sendo tocado nas preliminares
Da maneira mais gentil possível, a pessoa tem que demonstrar como gostaria de ser tocada. Não é preciso ter medo de assumir um tom professoral: pode pegar a mão do/a parceiro/a e colocá-la onde gostaria que ela estivesse. Quanto à intensidade dos toques, basta falar sensualmente “mais de leve” ou “mais forte” no momento em que a carícia estiver acontecendo. E, quando ele/ela acertar, é legal deixar claro o contentamento, gemendo e expressando o prazer que está sentindo.

* Raquel Paulino, especial para o iG